Weby shortcut
topo.jpg

Disciplinas

Atualizado em 19/11/14 09:35.

Disciplinas do curso de Especialização em Educação Infantil

 

Reflexões Sobre o Jogo/Brincar e a Educação

Carga horária: 60 horas

Ementa

A infância e as concepções teóricas sobre o brincar. O jogo nas abordagens cognitivista, psicanalítica e sócio-interacionista. O lúdico, o jogo e as práticas educativas atuais.

Objetivos

Conhecer as concepções teóricas sobre o brincar, buscando compreender seus referenciais teórico-epistemológicos.

Proporcionar ao aluno condições para identificar os principais aspectos das abordagens psicológicas ligadas ao brincar e suas implicações na constituição do sujeito.

Analisar a relação do lúdico, o jogo/brincar e as práticas educativas atuais na Educação Infantil.

Bibliografia básica

ARIÈS, F, História Social da Criança e da Família. Trad. Dora Flakman; 2ª edição, Rio de Janeiro: Ed. Guanabara, 1981.

COELHO, M. T. F. e PEDROSA, M. I. Faz-de-conta: construção e compartilhamento de significados. IN: OLIVEIRA Z. M. R. (org.)   A criança e seu desenvolvimento – perspectivas para  se discutir a educação infantil.  São Paulo: Cortez 1995.

FONTANA, Roseli e CRUZ Mª. Nazaré. Psicologia e trabalho pedagógico. São Paulo: Atual, 1997.

GÓES, Mª C. R. A natureza social do desenvolvimento psicológico. Cadernos Cedes. São Paulo. (24): 17-24,1991.

HUIZINGA, J. Homo Ludens: a brincadeira como elemento da cultura.2ª ed. São Paulo: Perspectiva, 1980.

LA TAILLE, Yves de. Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão/ Yves de La Taille, Marta Kohl de Oliveira, Heloísa Dantas - São Paulo: Summus, 1992.

OLIVEIRA, Marta K, de Vygotsky: aprendizado e desenvolvimento um processo sócio-histórico. São Paulo: Scipione, 1993.

PEREIRA, E. T. Brinquedos e infância In: Revista Criança do Professor da Educação Infantil, nº 37, novembro /2002. Brasília: 2002

PIAGET, Jean. Seis estudos de Psicologia. Trad. Maria Alice M. D Amorim e Paulo S. L. Silva. 13.  Rio de Janeiro: Ed. Florense, 1985.

ROCHA, M.S.P.M.L. Não brinco mais – a (des)construção do brincar no cotidiano educacional. Ijuí: Ed. Unijuí. (2000)

TUNES, E. e TUNES G. O Adulto, a Criança e a Brincadeira. IN: Em Aberto/ Instituto de Estudos e Pesquisas Educacionais. V.1, (julho. 2001). P. 78-83  – Brasília/DF. 

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo, Martins Fontes, 1984.

WINNICOTT, D. W. O Brincar e a Realidade. Trad. José O. de Aguiar Abreu e Vanede Nobre; Rio de Janeiro: Imago, 1975.


 

Pesquisa e Produção do Conhecimento em Educação

Carga horária: 60 horas

Ementa

Situando a pesquisa e a produção de conhecimento na sociedade contemporânea. A pesquisa nas Ciências Humanas e Sociais. A pesquisa qualitativa no campo da educação: enfoques e perspectivas atuais. Leitura de projetos e relatórios de pesquisas que têm como objeto a Educação Infantil.

Objetivos

Aprofundar estudos sobre o estado da arte da pesquisa nas Ciências Humanas e Sociais e na Educação Infantil.

Identificar questões, problemas, hipóteses, bem como o referencial teórico-metodológico e instrumentos de investigação, a partir da leitura de projetos e relatórios de pesquisas.

Sistematizar os conhecimentos abordados nesta disciplina através da elaboração da proposta/projeto de pesquisa de cada cursista.

Bibliografia básica

ALVES, Alda Judith. O Planejamento de Pesquisas Qualitativas em Educação. In.: Cadernos de Pesquisa. São Paulo (77): 53-61, maio 1991.

BAUER, Martin W. & GASKELL George. Pesquisa Qualitativa com texto, imagem e som – um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002. Trad. Pedrinho Guareschi.

COSTA Marisa V (org.) Caminhos Investigativos II: outros modos de pensar e fazer pesquisa em Educação. RJ: DP&A, 2002.

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. SP: Cortez, 1991.

ELLION, John. Recolocando a pesquisa-ação em seu lugar original e próprio. In.: Geraldi Corinta Maria Crisoli, Dario Fiorentini,  Elisabete Monteiro de Aguiar Pereira (orgs.) Cartografia do Trabalho Docente: Professor(a) pesquisador(a). Campinas-SP: Mercado das Letras: Associação de Leitura do Brasil – ALB 1998.

EZPELETA, Justa. Notas sobre pesquisa participante e Construção Teórica. In.: Em Aberto, Brasília, ano 3, n. 20, abr. 1984. p. 37-45.

GOHN, Maria da Glória Marcondes. (UNICAMP) - A Pesquisa das Ciências Sociais – considerações metodológicas – In.: Cadernos CEDES, SP: Cortez, 1987.

GERALDI Corinta Maria Crisoli, Dario Fiorentini, Elisabete Monteiro de Aguiar Pereira (orgs.) Cartografia do Trabalho Docente: Professor(a) pesquisador(a). Campinas-SP: Mercado das Letras: Associação de Leitura do Brasil – ALB 1998.

MONTEIRO, Roberto Alves. Fazendo e aprendendo Pesquisa qualitativa em educação. Juiz de Fora: FEME/UFJF, 1998.

ORSO, Paulino Jose. Os Desafios do conhecimento e o método da pesquisa científica. In.:   ETD – Educação Temática Digital, Campinas, v.5, n.1, p.25-39, dez. 2003.

ZEICHNER, Kenneth. Para além da divisão entre professor-pesquisador e pesquisador acadêmico. In.: Geraldi Corinta Maria Crisoli, Dario Fiorentini,  Elisabete Monteiro de Aguiar Pereira (orgs.) Cartografia do Trabalho Docente: Professor(a) pesquisador(a). Campinas-SP: Mercado das Letras: Associação de Leitura do Brasil – ALB 1998.

Fontes Audiovisuais:

FREIRE Paulo - Ética na Educação. Documentário – Altermídia, 1997.

FREIRE Paulo –  A questão do Método - Coleção Grandes Educadores – Altermídia. 1998.

FILME, Uma cidade sem passado.


 

Educação Infantil, Educação Especial e a Criança com Necessidades Educacionais Especiais

Carga horária: 60 horas

Ementa

A educação e os processos e práticas educativas de educação especial e educação infantil envolvendo as crianças menores de seis anos com limitações cognitivas, as que requerem materiais, códigos e linguagens alternativas. Atendimentos educacionais especializados e a estimulação essencial/precoce.

Bibliografia Básica

BRUNO, Marilda Moraes Garcia. Educação infantil : saberes e práticas da inclusão: introdução. Brasília : MEC, Secretaria de Educação Especial, 2006.

BRUNO, Marilda Moraes Garcia. Educação infantil: saberes e práticas da inclusão: Dificuldades de comunicação sinalização: deficiência visual. Brasília : MEC, Secretaria de Educação Especial, 2006.

COLL, César; MARCHESI, Álvaro; PALÁCIOS, Jesús. Desenvolvimento psicológico e educação - Transtornos do desenvolvimento e necessidades educativas especiais. Vol. 3 – Porto Alegre: Editora: Artmed, 2004.

COLL, César; MARCHESI, Álvaro; PALÁCIOS, Jesús. Desenvolvimento psicológico e educação - Transtornos do desenvolvimento e necessidades educativas especiais. Vol. 3 – Porto Alegre: Editora: Artmed, 2004.

GODÓI, Ana Maria de; Associação de Assistência à Criança Deficiente ­ AACD... [et. al.]. Educação infantil: saberes e práticas da inclusão: dificuldades acentuadas de aprendizagem: deficiência múltipla. Brasília: MEC, Secretaria de Educação Especial, 2006.

KARNOPP, Lodenir; QUADROS, Ronice Muller de. Educação infantil para surdos. In: ROMAN, Eurilda, Dias; STEYER, Vivian Edite. (Org.). A criança de 0 a 6 anos e a educação infantil: um retrato multifacetado. Canoas, 2001, p. 214-230.

LAPLANE, Adriana Lia Friszman de  and  BATISTA, Cecília Guarneiri. Ver, não ver e aprender: a participação de crianças com baixa visão e cegueira na escola. Cad. CEDES [online]. 2008, vol.28, n.75, pp. 209-227.

LIMA, Daisy Maria Collet de Araújo. Secretaria de Estado da Educação do Distrito Federal... [et. al.]. Educação infantil: saberes e práticas da inclusão: dificuldades de comunicação e sinalização: surdez. Brasília : MEC, Secretaria de Educação Especial, 2006.

MENDES, Enicéia Gonçalves. Inclusão: é possível começar pelas creches? Disponível em http://www.anped.org.br/reunioes/29ra/trabalhos/.../GT15-1921--Int.pdf

PARECER CNE/CEB 17/2001. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Despacho do Ministro em15/8/2001, publicado no Diário Oficial da União de 17/8/2001, Seção 1, p. 46.

TRISTÃO, Rosana Maria; SANTOS, Ide Borges dos. Educação infantil: saberes e práticas da inclusão: dificuldades acentuadas de aprendizagem ou limitações no processo de desenvolvimento (do nascimento aos três anos de idade) (quatro a seis anos de idade).  MEC/SEESP. Brasília : MEC, Secretaria de Educação Especial, 2006.

VIEIRA, Nara Joyce Wellausen. A inclusão e a diversidade: crianças com necessidades especiais. Legislação, Políticas e Influências Pedagógicas na Educação Infantil. Brasília: UNESCO, Banco Mundial, Fundação Maurício Sirotsky Sobrinho, 2005. (Série Fundo do Milênio para a Primeira Infância Cadernos Pedagógicos; 3.


 

Práticas Educativas e Organização Pedagógica da Educação Infantil

 Carga horária: 100  horas

Ementa

As práticas educativas e a organização pedagógica da educação infantil. O Educar: cuidar, brincar e as situações de aprendizagem orientadas. As rotinas e a organização do tempo e do espaço vivenciados por educadores/professores e crianças de creche e pré-escola. As propostas pedagógicas, os Referenciais Curriculares Nacionais para Educação Infantil (Brasil-Mec) e as relações com as práticas educativas.

Objetivos

Analisar as práticas educativas e a organização pedagógica da educação infantil.

Propiciar aos alunos o estudo e análise de propostas curriculares, dos Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil - RECNEI (Brasil-MEC).

Desenvolver estudos sobre as rotinas e a organização do tempo e do espaço vivenciados pelos educadores/professores e pelas crianças de creche e pré-escola.

Proporcionar espaços de qualificação profissional mediante o exercício da reflexão, da socialização de experiências e da construção e re-significação de conhecimentos através do contato com instituições de educação infantil, mais especificamente com a organização pedagógica e as práticas educativas.

Bibliografia básica

ANGOTTI, M. Pedagogias da Infância: Maria Montessori e as definições de uma pedagogia Científica. In: ROMANOWSKI, J.P; MARTINS, P.L.O.; JUNQUEIRA, S.R.A (Orgs.) Conhecimento Local e Conhecimento Universal: diversidade, mídias e tecnologias na educação. Curitiba: Champagnat, 2004.

BENJAMIN, Walter. Reflexões: a criança, o brinquedo e a educação. São Paulo: Summus,1984 (Tradução: Marcus Vinícius Mazzani).

BAZILIO, Luiz Cavlieri; KRAMER, Sônia. Infância, Educação e Direitos Humanos. São Paulo: Cortez, 2003.

BUJES, M.I. E. Que Infância é Esta? (23a. ANPED) Disponível em http://www.anped.org.br Acesso em abril de 2004.

ARRIBAS, Teresa Lleixa. Educação Infantil: Desenvolvimento, Currículo e Organização Escolar. Porto Alegre: Artmed

AZEVEDO, Priscila Ramos de; BORELLA, Regina Nogueira. Linguagem: Educação Infantil - Vol. 1. São Paulo: Ática

BASSEDAS , Eulália. Aprender e Ensinar na Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed

BERDONNEAU, C; CERQUETTI-ABERKANE, Françoise. Ensino da Matemática na Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed

BONDIOLI, Anna; MONTOVANI, Susanna. Manual de Educação Infantil: de 0 a 3 Anos. Porto Alegre: Artmed.

BONDIOLI, Anna (Org.). O Tempo no Cotidiano Infantil: Perspectivas de pesquisa e estudo de casos. São Paulo: Cortez, 2004.

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. 3 v. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil: Estratégias e Orientações para a Educação de Crianças com necessidades Educacionais Especiais.. Brasília: MEC/SEESP/SEF, 2001.

BRITO, Teca Alencar de. Música na Educação Infantil. Fundação Peirópolis

CARLA, Vilza.  É Tempo de Aprender: Estudos Sociais e Ciências. São Paulo: Editora do Brasil

______. É Tempo de Aprender: Linguagem - Educação Infantil. São Paulo: Editora do Brasil.

______. Maternalzinho: Educação Infantil. São Paulo: Editora do Brasil CADERNOS CEDES. Relações de Ensino: Análises na Perspectiva Histórico-Cultural. Cadernos CEDES 50. Campinas-SP, 2000.

CERISARA, Ana Beatriz. Por uma Pedagogia da Educação Infantil: desafios e perspectivas para as professoras. In: ROMANOWSKI, J.P; MARTINS, P.L.O.; JUNQUEIRA, S.R.A (Orgs.) Conhecimento Local e Conhecimento Universal: diversidade, mídias e tecnologias na educação. Curitiba: Champagnat, 2004.

_____. Educador: em busca do sujeito. Monografia apresentada como conclusão do curso “Contribuição da psicanálise para a educação: a noção de realidade psíquica”, ministrado pela professora Maria Cecília Cortez Christiano de Souza, na Pós-Graduação da FEUSP, 1993.

_____. O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil no Contexto das Reformas. Educação & Sociedade. V. 23 n. 80. Campinas: set, 2002.

______.Professoras de Educação Infantil: Entre o Feminino e o Profissional. São Paulo: Cortez

CORIA-SABINI, Maria Aparecida; LUCENA, Regina Ferreira de. Jogos e  Brincadeiras: na Educação Infantil. Campinas, SP: Papirus

DEVRIES, Rheta. Currículo Construtivista na Educação Infantil. . Porto Alegre: Artmed

EDWARDS, Carolyn; GANDINI, Lella. Bambini: a Abordagem Italiana à Educação Infantil. . Porto Alegre: Artmed

FARIA, Ana Lúcia Goulart; PALHARES (orgs). Educação Infantil Pós-LDB: rumos e desafios. Campinas SP: Autores Associados, 1999.

FARIA, Ana Lúcia Goulart. Educação pré-Escolar e Cultura: para uma pedagogia da educação infantil.  Campinas, SP: Editora da Unicamp. São Paulo: Cortez, 2002.

FREIRE, Madalena. A Paixão de Conhecer o Mundo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

FONTANA, R. A. A. C; CRUZ, M. N. da. Psicologia e Trabalho Pedagógico. São Paulo: Atual, 1997.

GÓES, M.C.R. O jogo imaginário na infância: a linguagem e a criação de personagens. Disponível em URL: http://www.anped.org.br. Acesso em: set/2003.

GALVÃO, Izabel. Henri Wallon: uma Concepção Dialética do Desenvolvimento. Vozes

KOCH, Dorvalino. Desafios da Educação Infantil. Loyola

KISHIMOTO, T. M. Bruner: uma Pedagogia da Infância. In: ROMANOWSKI, J.P.; MARTINS, P.L.O.; JUNQUEIRA, S. R. A (Orgs.) Conhecimento Local e Conhecimento Universal: diversidade, mídias e tecnologias na educação. Curitiba: Champagnat, 2004.

_____. Brinquedo e Brincadeira: usos e significações dentro de contexto culturais. In: SANTOS: Santa Marli dos (Org.). Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos. Petrópolis-RJ: Vozes, 1997.

_____. (Org.) Jogo, Brinquedo, Brincadeira e a Educação. São Paulo: Cortez, 2005.

____.   Jogo e a Educação Infantil

KRAMER, Sônia (Org.). Com a Pré-Escola nas Mãos: uma alternativa curricular para a educação infantil. São Paulo: Ática, 2002.

KUHLMANN, Moisés Júnior. Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Editora Mediação, 1998.

LATESSA, Gislene. Circo da Convivência: Mundo Natural e Mundo Social - Educação Infantil. São Paulo: Ática

LEITE, Maria Isabel. KRAMER, Sônia (orgs.). Infância: fios e desafios da pesquisa. Campinas, SP: Papirus, 1996.

Fernanda; GUIMARAES, Daniela. Infância e Educação Infantil. Campinas, SP: Papirus

LILG, France L; AMES, Louise Bates. Psicologia Aplicada a Educação e Orientação Infantil. Ibrasa

MACHADO, M. L. A. Encontros e Desencontros em Educação Infantil

MATTOS, Mauro; NEIRA, Marcos. Educação Física Infantil: Inter-Relação Movimento Leitura Escrita. Phorte Editora

MEIRA, Marcos. Educação Infantil no Tempo Presente. Érica

MEYER, Ivanise C. R. Brincar e Viver: Projetos em Educação Infantil. EDITORA??????Wak

MORAES, Flavia Teixeira de. Trabalhando com a Educação Infantil. Ulbra

MOYLES, Janet R. Só Brincar?: O Papel do Brincar na Educação Infantil. . Porto Alegre: Artmed

OLIVEIRA E SILVA, Isabel de. Profissionais da Educação Infantil: Formação e Construção. São Paulo: Cortez

______. Creches: Crianças, Faz de Conta e Cia. Vozes

______. Educação Infantil: Fundamentos e Métodos. São Paulo: Cortez

______. Educação Infantil: Muitos Olhares. São Paulo: Cortez.

______. (Org.). A criança e seu desenvolvimento: Perspectivas para se discutir a educação infantil. São Paulo: Cortez, 2000.

ONGARI, Bárbara; MOLINA, Paola. A educadora da creche: Construindo suas identidades. São Paulo: Cortez, 2003.

OSTETTO, Luciana Esmeralda. Encontros e Encantamentos na Educação Infantil. Campinas, SP: Papirus

Professor da pré-escola.  2v. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho e MEC/FAE, 1991.

RODRIGUES, Maria. Manual Teórico-Prático Educação Física Infantil. Ícone

ROSEMBERG, Fulvia; CAMPOS, Maria Malta. Creches e Pré-Escolas no Hemisfério Norte. São Paulo: Cortez, 1998.

ROSEMBERG, Fulvia; FERREIRA, Isabel M.; CAMPOS, Maria Malta. Creches e Pré-Escolas no Brasil. São Paulo: Editora Cortez, 2001.

ROSSETTI-FERREIRA, Maria Clotilde. Fazeres na Educação Infantil. São Paulo: Cortez, 2003.

STOCCO SMOLE, Kátia Cristina.  Matemática na Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed

TEIXEIRA, Ana Maria Valle; OCCASO, Karina Dias.  A Escola é Nossa: Educação Infantil. São Paulo: Scipione

VEIGA, Márcia Moreira. Creches e Políticas Sociais. Editora Annablume, 2005.

VERGES, Maritza Rolim de Moura; SANA, Marli Aparecida.. Limites e Indisciplina na Educação Infantil. Átomo.

ZABALZA, Miguel. A. Qualidade em Educação Infantil. . Porto Alegre: Artmed

ZAN, Betty; DEVRIES, Rheta. Ética na Educação Infantil: o Ambiente Sócio-Moral na Escola. . Porto Alegre: Artmed

SANTOS: Santa Marli dos (Org.). Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos. Petrópolis-RJ: Vozes, 1997.

SMOLKA, A.L.B. A linguagem como gesto, como jogo, como palavra: uma forma de ação no mundo. Revista Leitura: Teoria e prática, No. 5. Porto Alegre: Mercado Aberto.

Dissertações, teses e relatórios de pesquisa relacionados à temática da disciplina.

Filmes:   A creche do papai.

             Um tira no jardim de infância.


 

Literatura e Artes no Universo Infantil

Carga horária: 60 horas

Ementa

Estudos e reflexões sobre a interação entre as formas de manifestação artística- música, teatro, literatura e artes plásticas na construção do sujeito crítico-criativo.

Objetivos

Criar espaços para discutir a arte e a literatura infantil enquanto expressões culturais que exteriorizam sentimentos, emoções, vontade, experiências, ideais e conquistas do “eu”, numa relação criativa com o meio.

Explorar a arte em suas várias formas de manifestação como meio de aproximar as áreas de conhecimento numa abordagem interdisciplinar, compreendendo o processo de criação artística como resultante de interação sujeito/objeto, em um tempo e lugar.

Bibliografia básica

ABRAMOVICH, Fanny. Literatura Infantil -Gostosuras e Bobices.São Paulo: Scipione, 1989.

BUORO, Anamelia Bueno. O Olhar em Construção - Uma experiência de Ensino e Aprendizagem da arte na escola. São Paulo: Cortez, 2000.

COELHO, Nelly Novaes. Literatura: Arte, conhecimento e vida. São Paulo: Peirópolis,2000.

DUARTE JUNIOR, João Francisco. Por que Arte – Educação? Campinas: Papirus,1994

______. Fundamentos Estéticos da Educação.Campinas, Papirus,1995.

EDWARDS,Carolyn; GANDINI,Lella; FORMAN,George. As cem linguagens da Criança: A abordagem de Reggio Emília na Educação da Primeira Infância. Trad. Dayse Batista. Porto Alegre: Artes Médicas Sul Ltda.,1999.

FUSARI, Maria F. de Resende e FERRAZ, M.H.C. T Arte na Educação Escolar. São Paulo: Cortez, 1992..

OSTROWER, Fayga. Acasos e Criação Artística. Rio de Janeiro: Campus, 1990.

PILLAR. Analice Dutra. Desenho e Construção do Conhecimento pela Criança. Porto Alegre: Artes Médicas,1996.

STRICKLAND, Carol; BOSWELL, Jonh. Arte Comentada – da pré-história ao pós-moderno. Rio de Janeiro: Ediouro,1999.

ZILBERMAN, Regina. A Literatura Infantil na Escola.São Paulo: Global editora, 1987. 


 

História e Políticas Públicas para Educação Infantil

Carga horária: 60 horas

Ementa

A educação infantil no Brasil. Políticas públicas e educação infantil: legislação e financiamento. Gestão de creches e pré-escolas.

Objetivos

Propiciar aos alunos, numa perspectiva crítica, conhecimentos básicos referentes à Educação Infantil no Brasil.

Discutir a implementação de políticas educacionais para a educação Infantil.

Bibliografia básica

ARIÈS, Philippe. História Social da Criança e da Família. 2ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

BRASIL, Lei nº 10.172, de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. 

BRASIL, Lei nº 9.394/96, de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União de 23/12/1996.

CORAZZA, Sandra Mara. Infância & Educação: era uma vez... quer que conte outra vez? Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

______ História da Infância Sem Fim. Ijuí: Unijuí, 2000.

DEL PRIORE, Mary. História da Criança no Brasil. São Paulo: Contexto, 1995.

FARIA, Ana Lúcia Goulart de. Educação Pré-Escolar e Cultura. 2ª ed. Campinas, SP: Ed.da Unicamp / São Paulo: Cortez, 2002.

KUHLMANN JR., Moysés. Infância e Educação Infantil: uma abordagem histórica. 2ª ed. Porto Alegre: Mediação, 1998.

RIZZINI, Irene (org.). A Criança no Brasil Hoje – Desafios para o Terceiro Milênio. Rio de Janeiro: Ed. Universitária Santa Úrsula, 1993.

ROSEMBERG, Fúlvia. “Primeira Infância: a visão do Banco Mundial”. In: Cadernos de Pesquisa, nº 115, 2002.


 

Infância, Conhecimento e Cultura

Carga horária: 60 horas

Ementa

A produção do conhecimento acerca da infância. Infância, sociedade e individualização. Infância, cultura e subjetividade. Novos modos de subjetivação e educação infantil.

Objetivos

Conhecer e analisar os princípios que nortearam a constituição do sentimento da infância na modernidade.

Compreender a gênese da pedagogia moderna e a institucionalização do atendimento escolar à infância.

Conhecer as abordagens contemporâneas a respeito da infância.

Bibliografia básica

BERGER, P. e LUCKMANN, T. A construção social da realidade. Petrópoles, RJ: Vozes, 1978.

BERMAN, M. Tudo que é sólido desmancha no ar. São Paulo: Cia das Letras,1989.

BOURDIEU, Pierre, PASSERON, Jean Claude; A reprodução: elementos para
uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1975.

CANDAU,V. M. I. (orgs.). Cultura, linguagem e subjetividade no ensinar e aprender. Rio de Janeiro: Nau, 2000.

CASTRO, L. R. (org.) Infância e adolescência na cultura do consumo. Rio de Janeiro: Nau, 1999.

CORAZZA, S. M. História da infância sem fim. Ijuí: Ed. UNIJUÍ, 2000.

DURKHEIM, Émile. Educação e Sociologia. São Paulo: Melhoramentos, 1967.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas. Lisboa: Portugália, 1968.

GÉLIS, Jacques. A individualidade da criança. In: ARIÈS, P. & DUBY, G. (org.). História da vida privada 3 – Da renascença a século das luzes. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

GOLDMANN, L. Dialética e cultura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

GOFEMAN, L. A representação do Eu na vida cotidiana. Petrópoles, RJ: Vozes, 1985.

KRAMER,S. & LEITE, M. (orgs.). Infância e produção cultural. Campinas: Papirus, 1998.

KOHAN, W. O. Infância. Entre Educação e Filosofia.  Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

KUHLMANN Júnior, Moysés. Infância e educação infantil - uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

 OLIVEIRA, Zilma Ramos de. Educação Infantil: Fundamentos e Métodos. São Paulo: Cortez, 2002.

RENAUT, A. O indivíduo. Rio de Janeiro: Difel, 1998.

SENNETT, R. O declínio do homem público. São Paulo: Cia das Letras, 1988.

WEBER, M. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Pioneira, 1969.


 

Didática e Metodologia do Ensino Superior

Carga horária: 60 horas

Ementa

Concepções históricas da Didática e do Ensino Superior, desafios epistemológicos e metodológicos do Ensino Superior: formação e qualificação docente; a relação teoria-prática; novos paradigmas do conhecimento; conhecimento significativo e avaliação.

Objetivos

Que ao longo (e ao final) do curso as (os) alunas (os) possam, em um primeiro momento, discutir as concepções da Didática compreendendo-as como uma construção histórica. Refletir sobre o Ensino Superior no Brasil, especificamente sobre a universidade, seu papel na formação do educador. Analisar e debater sobre os desafios epistemológicos e metodológicos do Ensino Superior. Identificar, no campo da educação, os “novos paradigmas” de construção do conhecimento. Compreender a relação teoria-prática, conhecimento significativo e as diferentes concepções de avaliação.

Bibliografia básica

CHAUÍ, Marilena. Universidade em Ruínas. In: TRINDADE, Hélgio (org.). Universidade em Ruínas na República dos Professores. 2 ed Petrópolis, RJ: Vozes, 1998. 

CUNHA, Maria Isabel da. O Professor Universitário na Transição de Paradigmas. Araraquara, SP: JM Editora, 1998.

FREIRE, P.  A Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

GIROUX, Henry. Teoria Crítica e Resistência em Educação: para além das teorias de reprodução. Trad. Ângela M. B. Biaggio. Petrópolis: Vozes, 1986.

LARA. Tiago Adão. A escola que não tive..O professor que não fui.São Paulo:Cortez, 1996.

LIBÂNIO. José C. Anotações sobre a questão pedagógico-didática e a política social, in Anais da IIICBE, 1984

______.Didática, São Paulo: Cortez, 2001.

MACHADO.  Nilson José. Epistemologia e Didática.4.ed..São Paulo: Cortez, 2000.

MASETTO. Marcos (Org.) Docência na Universidade. Campinas-SP: Papirus, 1998.

MONTEIRO.Filomena.SILVA, Maria das G. Martins da. Revista Poiésis, UFG-CAC, Catalão: Modelo. v. 2, n. 2, p. 121-136, jan./dez.2004

PLANTAMURA. Vitangelo. Por um conceito crítico de competência na formação de professores. Revista Poiésis, UFG-CAC, Catalão: Modelo,v. 2, n. 2, p. 09-31, jan./dez.2004.

ROMANOWSKI et ali. ENDIPE. Artigos do V.3 A aula e os Campos do Conhecimento. Curitiba: Champagnat,  2004.

______.  ENDIPE. Artigos do V.3 Pesquisa, Didática e Ação Docente.. Curitiba,: Champagnat, 2004.

SILVA, Sérgio Pereira da. A disciplina filosofia da Educação no curso de Pedagogia: referências para o debate identitário. 2000. 219f. Tese (doutorado)- PUC-SP, São Paulo.

______.Impasse epistemológico e curricular no cotidiano das práticas de ensino e na formação de professores do sudeste goiano. Revista Poiésis, UFG-CAC, Catalão: Modelo. v. 2, n. 2, p. 47-65, jan./dez.2004

SILVA, Tomaz Tadeu da. (org.) Teoria Educacional crítica em tempos pós-modernos. Porto Alegre: Edit. Artes Médicas, 1993.

______.O sujeito da educação. Estudos foucaultianos. Petrópolis: Vozes, 1994.

SNYDERS, Georges. Escola, classe e luta de classes. Lisboa: Moraes, 1981.

______. A alegria na escola. São Paulo: Manole, 1988.

______. Para onde vão as Pedagogias não-diretivas? Lisboa: Moraes, 1978.


 

O Desenvolvimento Humano e as Estratégias educativas em Creches e Pré-escolas

Carga horária: 60 horas

Ementa

Discutir o papel da Creche e Pré-Escolas e das práticas educativas nelas realizadas a partir da perspectiva de prática social que visa promover o desenvolvimento das crianças menores de três anos e de quatro a sei capacitando-a para a inserção crescente em sistemas de exigências, símbolos e relações cada vez mais variadas e complexas. Evidenciar a necessidade de domínio dos conhecimentos e particularidades dos processos de desenvolvimento na primeira infância para planejar e desenvolver estratégias e ações pedagógicas mais efetivas. Explicitar as relações entre as diretrizes curriculares e as práticas observadas nas creches e pré-escolas.

Objetivos

Fornecer elementos para elaboração de uma concepção sobre a função social da Creche e pré-escola, bem como a reflexão daquelas que já estejam cristalizadas;

Favorecer o reconhecimento de coerências e contradições entre as posições teóricas assumidas e as estratégias e ações educativas a serem desenvolvidas nas creches e pré-escolas;

Produzir debates críticos em torno do conteúdo legal dos documentos oficiais e seus impactos sobre as ações educativas.

Bibliografia básica

BRASIL. Política Nacional de Educação Infantil: pelo direito das crianças de 0 a 6 anos à Educação. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental.- Brasília: MEC/SEF, 2004.

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental.– Brasília: MEC/SEF, 1998. I, II E III volumes.

BRASIL. Credenciamento e funcionamento das Instituições de Educação Infantil. Ministério da Educação e do Deporto, Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1998.

DUARTE, Newton. Educação Escolar, teoria do cotidiano e a escola de Vigotski. 3ª ed. – Campinas: SP, Autores Associados, 2001.

DUARTE, Newton. Sobre o Construtivismo: contribuições a uma análise crítica/ Newton Duarte (org.) – 2ª ed. – Campinas: SP, Autores Associados, 2005.

GUIMARÃES, J. L. O financiamento da educação infantil: quem paga a conta? In: MACHADO, M. L. de A (ORG). Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez, 2002. 

MARTÍNEZ, M. Albertina e CAVATON, F. Maria Fernanda. Desenvolvimento infantil e práticas pedagógicas. In: Simpósio de Educação Infantil: construindo o presente. Anais. – Brasília: UNESCO, Brasil, 2003.

PANSAN, M. M. Tereza e PADULA, S. Marly. Pré-escola: despertar para a vida. 3ª ed. Campinas, SP: Alínea, 2001.

ROSEMBERG, F. Do embate para o debate: educação e assistência no campo da educação infantil. In: MACHADO, M. L. de A (ORG). Encontros e desencontros em educação infantil. São Paulo: Cortez, 2002.

ROSEMBERG, Fúlvia. Panorama da Educação Infantil brasileira contemporânea. In: Simpósio de Educação Infantil: construindo o presente. Anais. – Brasília: UNESCO, Brasil, 2003.

SAVIANI, Demerval. A nova lei da educação: trajetória, limites e perspectivas. 9ª ed – Campinas, SP: Autores Associados, 2004.